PROBLEMAS COM O FIES?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

FIES 2016. ALTERAÇÕES NO PROCESSO SELETIVO DO FIES PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 ATRAVÉS DA LEI 13.366, DE 1.12.2016




FIES 2016. ALTERAÇÕES NO PROCESSO SELETIVO DO FIES PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016  ATRAVÉS DA LEI 13.366, DE 1.12.2016

A Lei 13.366 publicada pela imprensa oficial no dia 01.12.2016 trouxe várias alterações nas regras para concessão do financiamento publico FIES.

Ao pretexto de editar norma no tocante a restituição dos agentes financeiros, a objurgada lei federal trouxe diversas alterações quanto à inscrição no processo seletivo do FIES para estudantes já graduados.

As previsões contidas em malsinadas portarias editadas pelo MEC ganharam força com a previsão que altera o artigo 1º, §6º da Lei 10.260/01 (Lei de Regência do FIES). Confiram, verbis:



Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
Mensagem de vetoConversão da Medida Provisória nº 741, de 2016
Altera as Leis nos 10.260, de 12 de julho de 2001, que “dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao estudante do Ensino Superior e dá outras providências”, para atribuir às instituições de ensino responsabilidade parcial pela remuneração dos agentes operadores do Fundo, e 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que “estabelece as diretrizes e bases da educação nacional”, para vedar a concessão de tutela antecipada que tenha por objeto a autorização para o funcionamento de curso de graduação por instituição de educação superior.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1o  A Lei no 10.260, de 12 de julho de 2001, passa a vigorar com as seguintes alterações:
“Art. 1o  ......................................................................
...........................................................................................
§ 6o  O financiamento com recursos do Fies será destinado prioritariamente a estudantes que não tenham concluído o ensino superior e não tenham sido beneficiados pelo financiamento estudantil, vedada a concessão de novo financiamento a estudante inadimplente com o Fies ou com o Programa de Crédito Educativo de que trata a Lei no 8.436, de 25 de junho de 1992.
...................................................................................” (NR)
“Art. 2o  .....................................................................
..........................................................................................
IV - multas decorrentes de sanções aplicadas por descumprimento dos preceitos desta Lei e demais normas que regulamentam o Fies;
........................................................................................
§ 6º  A remuneração de que trata o § 3o será custeada pelas instituições de ensino e corresponderá à remuneração de 2% (dois por cento) sobre o valor dos encargos educacionais liberados, a qual, após recolhida, será repassada diretamente aos agentes financeiros, nos termos de regulamentação específica.
§ 7o  A transferência é vedada a inclusão da remuneração de que trata o § 3o na planilha de custo prevista no § 3o do art. 1o da Lei no 9.870, de 23 de novembro de 1999.” (NR)
“Art. 3o  ......................................................................
§ 1o  ............................................................................
I - as regras de seleção de oferta de vagas e de estudantes a serem financiados pelo Fies;
II - os casos de transferência de curso ou instituição, renovação, suspensão temporária e encerramento do período de utilização do financiamento;
................................................................................” (NR)
Art. 4º  São passíveis de financiamento pelo Fies até 100% (cem por cento) dos encargos educacionais cobrados dos estudantes no âmbito do Fundo pelas instituições de ensino devidamente cadastradas para esse fim pelo Ministério da Educação, em contraprestação aos cursos referidos no art. 1o em que estejam regularmente matriculados, vedada a cobrança de qualquer valor ou taxa adicional e observado o disposto no art. 4o-B.
........................................................................................
§ 5º O descumprimento das obrigações assumidas nos termos de adesão ao Fies e de participação nos processos seletivos conduzidos pelo Ministério da Educação sujeita as instituições de ensino às seguintes penalidades:
I - impossibilidade de adesão ao Fies por até três processos seletivos consecutivos, sem prejuízo para os estudantes já financiados;
II - ressarcimento ao Fies dos encargos educacionais indevidamente cobrados, conforme o disposto no § 4o deste artigo, bem como dos custos efetivamente incorridos pelo agente operador e pelos agentes financeiros na correção dos saldos e fluxos financeiros, retroativamente à data da infração, sem prejuízo do previsto no inciso I deste parágrafo;
III - multa.
..........................................................................................
§ 11.  As condições para aplicação das penalidades previstas no § 5o deste artigo serão estabelecidas em regulamento específico do Ministério da Educação.
§ 12.  O valor da mensalidade que supere as bolsas parciais concedidas no âmbito do Programa Universidade para Todos - PROUNI poderá ser objeto do financiamento tratado no caput deste artigo.” (NR)
Art. 4o-A.  A instituição de ensino poderá praticar valores de encargos educacionais diferenciados a menor em favor do estudante financiado, vedada qualquer forma de discriminação em razão da concessão do benefício.
Parágrafo único.  O benefício de que trata o caput deste artigo se estende ao valor da mensalidade pago diretamente pelo estudante à instituição de ensino.”
“Art. 4o-B.  O agente operador poderá estabelecer valores máximos e mínimos de financiamento, nos termos de regulamento do Ministério da Educação.”
“Art. 5o  .....................................................................
.........................................................................................
§ 4o  Na hipótese de verificação de inadimplência do estudante com o pagamento dos juros de que trata o § 1o deste artigo ou de inidoneidade cadastral do(s) fiador(es) após a assinatura do contrato, ficará sobrestado o aditamento do financiamento até a comprovação da restauração da adimplência do estudante ou da idoneidade ou a substituição do fiador inidôneo, respeitado o prazo de suspensão temporária do contrato.
§ 5o  O contrato de financiamento poderá prever a amortização mediante débito em conta corrente do estudante ou autorização para desconto em folha de pagamento, na forma da Lei no 10.820, de 17 de dezembro de 2003, preservadas as garantias e as condições pactuadas originalmente, inclusive as dos fiadores.
................................................................................” (NR)
Art. 6o  Em caso de inadimplemento das prestações devidas pelo estudante financiado, a instituição referida no § 3o do art. 3o promoverá a cobrança administrativa das parcelas vencidas, com o rigor praticado na cobrança dos créditos próprios, devendo adotar todas as medidas cabíveis com vistas à recuperação das parcelas em atraso, incluindo os encargos contratuais incidentes.” (NR)
“Art. 6o-B.  ................................................................
..........................................................................................
II - médico integrante de equipe de saúde da família oficialmente cadastrada ou médico militar das Forças Armadas, com atuação em áreas e regiões com carência e dificuldade de retenção desse profissional, definidas como prioritárias pelo Ministério da Saúde, na forma do regulamento.
...............................................................................” (NR)
Art. 2o  (VETADO).
Art. 3o  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 1o de dezembro de 2016; 195o da Independência e 128o da República.
MICHEL TEMER
Alexandre de Moraes
Henrique Meirelles
José Mendonça Bezerra Filho
Dyogo Henrique de Oliveira
Grace Maria Fernandes Mendonça
Este texto não substitui o publicado no DOU de 2.12.2016  



A lei federal foi infeliz ao prestigiar um grupo de estudantes (não graduados) para detrimento de outro (já graduados) que, levando em consideração o rendimento no ENEM, tem melhor chances de aproveitamento futuro, pois é absolutamente razoável concluir como critério de seleção dos estudantes que perceberão financiamento público para custeio de seu acesso ao ensino superior aqueles que tem melhor rendimento no ENEM e consequentemente melhor rendimento acadêmico no futuro.

Afinal, os recursos públicos – limitados e escassos – devem se prestar a financiar aqueles que têm melhores condições de aproveitamento. Trata-se, portanto, de exigência que atende aos imperativos de moralidade, impessoalidade e eficiência a que se submete a Administração Pública (art. 37, CF). 

fies estudantes graduados nova lei, fies nova lei, fies 2017 nova lei, fies previsão que veda participação de estudantes graduados, ilegalidade de previsão que veda participação de estudantes graduados, ação judicial estudantes graduados, preferência nas vagas do FIES

2 comentários:

juniorcriciuma disse...

Ola voce obteve exito em alguma ação??? sou formado e estou na minha 2 graduação com a classificação minha nota vai la em baixo...

Saulo Rodrigues disse...

Olá Sr Junior, bom dia!

Por gentileza, poderia nos enviar por e-mail: advocaciasaulorodrigues@gmail.com

Att.,

.......Advocacia Saulo Rodrigues.......
61 3717 0834

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Free Samples By Mail