Bem vindo ao site

"A educação é a arma mais poderosa que se pode usar para mudar o mundo". " Nelson Mandela."

"A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando o pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Art. 205 da CF/88"

Envie-nos um e-mail: advocaciasaulorodrigues@gmail.com

Fale conosco: 61 3717 0834

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

O ÍNDICE DE REAJUSTE DO SALÁRIO MÍNIMO (IRSM) DO MÊS DE FEVEREIRO DE 1994 PODE SER INCLUÍDO NO CÁLCULO DA RENDA MENSAL INICIAL (RMI) DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO NA FASE DE LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA.


O Índice de Reajuste do Salário Mínimo (IRSM) do mês de fevereiro de 1994 pode ser incluído no cálculo da Renda Mensal Inicial (RMI) de benefício previdenciário na fase de liquidação de sentença.

Há algum tempo o presente escritório tem patrocinado ações judiciais para revisão de benefícios de aposentadoria de servidores do município de Buritama.

As ações visam corrigir o equivoco precedido na conversão do padrão monetário nacional do Cruzeiro para URV em meados de 1994, que resultaram em perdas imensas nos valores de vencimentos do servidores, e, com toda certeza, vai refletir nos valores dos benefícios de aposentadoria.

Os benefícios de aposentadoria pagos pelo Instituto de Previdência da municipalidade de Buritama, estão totalmente defasados por força do equivoco precedido no momento da conversão da moeda, bem como em razão da exclusão da base de cálculo dos valores da correção monetária de que trata o IRSM (índice de reajuste do salário mínimo) em fevereiro de 1994.

Entende a Autarquia Previdenciária que, o IRSM de fevereiro de 1994, não deve ser aplicado na correção monetária dos salários-de-contribuição para fins de cálculo do valor do benefício.

Sem razão, contudo, o IPREM. É que, consoante entendimento já há muito pacificado no âmbito Superior Tribunal de Justiça, a aplicação da variação do IRSM de fevereiro de 1994 aos benefícios cujos salários-de-contribuição considerados no cálculo do benefício incluam tal competência decorre de expressa previsão legal, a saber, o artigo 21, §1º, da Lei nº 8.880⁄94. 

Ora, não há como se admitir a tese de que o cumprimento daquilo que se encontra expressamente determinado pela lei causaria prejuízos ao erário público. É que, na medida em que a inclusão das parcelas referentes à variação do IRSM de fevereiro de 1994 decorre, como dito, de expressa previsão legal, não se cogita da ocorrência de excesso de execução por conta de sua inclusão no cálculo de liquidação. Pelo contrário, deixar de aplicar tal revisão em sede de execução, ainda que o título executivo não tenha se manifestado a respeito, é que implicaria violação do disposto na Lei nº 8.880⁄94.

A propósito, os seguintes precedentes:
"ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. INDENIZAÇÃO. ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA. INCLUSÃO DOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS NA CONTA DE LIQUIDAÇÃO.POSSIBILIDADE. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO.

1. A inclusão de expurgos inflacionários, na fase de liquidação de sentença, embora não discutidos na fase de conhecimento, não implica violação da coisa julgada, por refletir a correção monetária a recomposição do valor da moeda aviltada pelo processo inflacionário. Precedentes.
2. Agravo Regimental desprovido."
(AgRg no Ag 1225852⁄SC, Rel. Min. NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 11⁄10⁄2011, DJe 09⁄02⁄2012.)
"AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. PROCESSUAL CIVIL. LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DÍVIDA JUDICIAL. CORREÇÃO MONETÁRIA.INCLUSÃO DE EXPURGOS INFLACIONÁRIOS.POSSIBILIDADE. COISA JULGADA. AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO. RECURSO DESPROVIDO.
1. 'Esta c. Corte já firmou o entendimento segundo o qual a inclusão dos expurgos inflacionários nos cálculos de liquidação de sentença não ofende a coisa julgada, nem se caracteriza como excesso de execução, mas visa tão-somente manter o valor real da dívida' (AgRg no Ag 1.227.995⁄RJ, Rel. Min. FELIX FISCHER, DJe 12.04.2010).
2. Agravo regimental a que se nega provimento."
(AgRg no REsp 751.461⁄PR, Rel. Desembargador VASCO DELLA GIUSTINA (CONVOCADO DO TJ⁄RS), TERCEIRA TURMA, julgado em 26⁄04⁄2011, DJe 11⁄05⁄2011.)
"PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. INCLUSÃO DOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS E DA SELIC. OFENSA À COISA JULGADA. VIOLAÇÃO DA LEGISLAÇÃO FEDERAL PARCIALMENTE CONFIGURADA.
1. Controverte-se a respeito da existência de coisa julgada relativamente à inclusão dos expurgos inflacionários e da taxa Selic, na Repetição de Indébito Tributário.
2. É lícito incluir os expurgos nos cálculos da liquidação, ou da execução de sentença, se a decisão transitada em julgado no processo de conhecimento não decidiu expressamente sobre essa matéria.
3. Admite-se a inclusão da Selic se o decisum passou em julgado antes da entrada em vigor da lei que a instituiu.
4. Hipótese em que o Tribunal de origem consignou que o acórdão, transitado em julgado em 1997, limitou-se a determinar a "correção monetária plena" e juros de 1% ao mês.
5. Recurso Especial parcialmente provido, para excluir a incidência da Selic."
(REsp 1189634⁄ES, Rel. Min. HERMAN BENJAMIN, SEGUNDA TURMA, julgado em 05⁄10⁄2010, DJe 02⁄02⁄2011.)
No mesmo sentido se manifestou a Segunda Turma do STJ, que abordou questão idêntica para reconhecer que não há violação da coisa julgada a inclusão do indigitado índice no cálculo de liquidação, ainda que não discutida na fase de conhecimento.
A ementa do julgado:
"PREVIDENCIÁRIO. IRSM INTEGRAL DE FEVEREIRO DE 1994. CORREÇÃO DOS SALÁRIOS DE CONTRIBUIÇÃO. BENEFÍCIO CONCEDIDO APÓS MARÇO DE 1994. INCLUSÃO. CABIMENTO. ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA. INCLUSÃO DOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS NA CONTA DE LIQUIDAÇÃO. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES.

1. É devida a inclusão do IRSM de fevereiro⁄1994, antes da conversão em URV, na atualização dos salários de contribuição de benefício concedido após março⁄1994, sendo indiferente a existência, ou não, de salário de contribuição na competência fevereiro⁄1994.
2. A inclusão de expurgos inflacionários, na fase de liquidação de sentença, embora não discutidos na fase de conhecimento, não implica violação da coisa julgada.
Agravo regimental improvido."
(AgRg no AREsp 188.862⁄PR, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, julgado em 4⁄9⁄2012, DJe 14⁄9⁄2012).

DIREITO PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. INCLUSÃO DE EXPURGOS INFLACIONÁRIOS EM FASE DE LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA.
O Índice de Reajuste do Salário Mínimo (IRSM) do mês de fevereiro de 1994 pode ser incluído no cálculo da Renda Mensal Inicial (RMI) de benefício previdenciário na fase de liquidação de sentença, ainda que sua inclusão não tenha sido discutida na fase de conhecimento. A jurisprudência desta Corte é firme no sentido de que a inclusão de expurgos inflacionários na fase de liquidação de sentença, embora não discutidos na fase de conhecimento, não implica violação da coisa julgada, por refletir correção monetária a recomposição do valor da moeda aviltada pelo processo inflacionário. Precedente citado: AgRg no AREsp 188.862-PR, Segunda Turma, DJe 14/9/2012. REsp 1.423.027-PR, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 6/2/2014.

Portanto, a jurisprudência da Corte Superior de Justiça é firme no sentido de que a inclusão de expurgos inflacionários (índice de reajuste do salário mínimo em FEVEREIRO DE 1994 no percentual de 39,67%), na fase de liquidação de sentença, embora não discutidos na fase de conhecimento, não implica violação da coisa julgada, por refletir a correção monetária a recomposição do valor da moeda aviltada pelo processo inflacionário. 

SERVIDOR PÚBLICO DE BURITAMA.GRATIFICAÇÕES E INDENIZAÇÕES DE INSALUBRIDADE, REGIME ESPECIAL DE TRABALHO (HORA EXTRA, 40% + 20%), DEVEM SER ESTENDIDAS AOS SERVIDORES APOSENTADOS E PENSIONISTAS SEGUNDO OS MESMOS CRITÉRIOS E NAS MESMAS PROPORÇÕES UTILIZADAS PARA OS SERVIDORES DA ATIVA.



SERVIDOR PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE BURITAMA. GRATIFICAÇÕES E INDENIZAÇÕES DE INSALUBRIDADE, REGIME ESPECIAL DE TRABALHO (HORA EXTRA, 40% + 20%), DEVEM SER ESTENDIDAS AOS SERVIDORES APOSENTADOS E PENSIONISTAS SEGUNDO OS MESMOS CRITÉRIOS E NAS MESMAS PROPORÇÕES UTILIZADAS PARA OS SERVIDORES DA ATIVA.


Recebemos reclamações de Servidores do Município de Buritama no que se refere ao pagamento das gratificações de insalubridade, Regime Especial de trabalho, dentre outros, nos benefícios e pensões de aposentadoria pagas pelo Instituto de Previdência do Município.

Segundo relatos, Servidores que sofrem acidente do trabalho e/ou acabam acometidos de doenças que os impossibilitem de trabalhar, após o 15º dia de afastamento, acabam por ter seus vencimentos limitados em 50% do valor total do salário de contribuição (vencimentos mensais), para recebimento do benefício pago pelo Instituto de Previdência do Município de Buritama - IPREM. Ora, se com todo o salário já era difícil suportar as dívidas contraídas com o orçamento doméstico familiar, imagine com a limitação dos vencimentos em 50%.

A previsão para o pagamento dos benefícios e pensões, com expurgos de valores, que pasmem, está respaldada em uma Lei Orgânica do Município que por mais reverenciada que possa ser, vai na contramão da previsão Constitucional que veda a concessão de benefícios e pensões por regras distintas daquelas previstas no Regime Geral da Previdência Social.

É firme o entendimento do Guardião da Lei Federal (Superior Tribunal de Justiça - responsável pela última palavra no assunto) de que as gratificações de desempenho, ainda que possuam caráter pro labore faciendo, se forem pagas indistintamente a todos os servidores da ativa, no mesmo percentual, convertem-se em gratificação de natureza genérica, extensíveis, desta maneira, a todos os aposentados e pensionistas.


Nesse sentido, os seguintes precedentes:


INATIVO. AUSÊNCIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. CARÁTER GERAL DA GRATIFICAÇÃO. EQUIPARAÇÃO AOS ATIVOS. CABIMENTO. IMPOSSIBILIDADE DE INOVAÇÃO DE FUNDAMENTOS.1. Cinge-se a controvérsia à possibilidade de servidores públicos federais inativos vinculados ao Incra perceberem a Gratificação de Desempenho de Atividade de Reforma Agrária (GDARA) de forma similar aos servidores ativos do mesmo órgão.2. Esta Corte Superior entende que, enquanto não regulamentados os critérios de avaliação do desempenho ou da atividade, as gratificações possuem caráter geral e deverão ser estendidas aos inativos e pensionistas no mesmo patamar pago aos servidores da ativa. Precedentes: AgRg no REsp 1.080.24/RJ, Rel. Min. Og Fernandes, Sexta Turma, julgado em 5/10/2010, DJe 6/12/2010; AgRg no Ag 1.302.792/RJ, Rel. Min. Herman Benjamin, Segunda Turma, julgado em 14/9/2010, DJe 27/9/2010; AgRg no REsp 1.009.842/RN, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, Primeira Turma, julgado em 3/9/2009, DJe 13/10/2009; e AgRg no REsp 1.103.102/RN, Rel. Min. Jorge Mussi, Quinta Turma, julgado em 23/4/2009, DJe 8/6/2009.3. A apresentação de novos fundamentos para reforçar a tese trazida no recurso especial representa inovação - vedada no âmbito do agravo regimental.Agravo regimental improvido (AgRg no REsp. 1.314.529/SC, 2T, Rel. Min. HUMBERTO MARTINS, DJe 14.8.2012).
PROCESSUAL CIVIL E SERVIDOR PÚBLICO. GRATIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DE ATIVIDADE DA SEGURIDADE SOCIAL - GDASST. EXTENSÃO AOS INATIVOS.1. O Supremo Tribunal Federal, em sede de repercussão geral (RE 597154 QO-RG / PB, rel. Ministro Gilmar Mendes, Dje 29/05/2009), decidiu que a Lei 10.438/02, ao estruturar a Carreira da Seguridade Social e do Trabalho, instituiu a Gratificação de Desempenho de Atividade da Seguridade Social - GDSST, a qual deve ser estendida aos servidores aposentados e pensionistas segundo os mesmos critérios e nas mesmas proporções utilizados para os servidores ativos. Tal entendimento não destoa da orientação firmada por esta Corte Superior no sentido de que a mencionada vantagem não possui natureza pro labore faciendo, mas sim genérica e impessoal, devendo a vantagem ser estendida aos servidores aposentados e pensionistas, sob pena de ferimento do art. 40, § 8º, da CF/88, na redação anterior à EC nº. 41/2003.2. Recurso especial não provido (REsp. 1.291.011/MG, 2T, Rel. Min. MAURO CAMPBELL MARQUES, DJe 10.2.2012).

Assim, gratificações pagas pela Administração Municipal possuem caráter geral e deverão ser estendidas aos inativos e pensionistas no mesmo patamar pago aos servidores da ativa.

advogado buritama, advogado trabalhista em buritama, advogado prefeitura buritama, advogado iprem buritama, advogado urv buritama, advogado servidores públicos buritama, advogado previdenciário buritama.


O BRASIL PRECISA DE EDUCAÇÃO E NÃO DE COPA DO MUNDO!

A corrupção no Brasil é cultural, endêmica.



Não é partidarismo, tampouco, patriotismo, mas, sinceramente, acredito que a corrupção no Brasil seja mesmo cultural, endêmica. Seja no âmbito do Governo Federal, Estadual ou Municipal é sempre a mesma ladainha. Vejamos, por exemplo, o caso do PT: Todo o alto escalão do governo Lula está preso por corrupção, mas os artistas e grande parte da população acham que eles são honestos, e fazem campanhas para recolher dinheiro para eles.


O Brasileiro elege jogadores de futebol para cargos públicos. O Romário é deputado e aproveita o descontentamento com a Copa para se auto-promover, mas nunca apresentou um projeto de lei sobre saúde ou educação. Sua meta é dar ingresso da Copa para pobre(como se essa fosse a prioridade para um pobre brasileiro). 

E o que dizer da seguinte máxima: O Deputado mais votado do Brasil é um palhaço analfabeto e banguela, que faz uma dança ridícula, com roupas igualmente ridículas, e seu bordão é: “pior que está não fica”. Será?

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

SERVIÇOS QUE OS BANCOS DEVEM OFERECER DE GRAÇA.

"RESOLUÇÃO Nº 3.919 - BANCO CENTRAL DO BRASIL.

Altera e consolida as normas sobre cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e dá outras providências. 
O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o Conselho Monetário Nacional, em sessão realizada em 25 de novembro de 2010, com base nos arts. 3º, inciso V, e 4º, incisos VI, VIII e IX, da referida lei







R E S O L V E U : 

Art. 1º A cobrança de remuneração pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, conceituada como tarifa para fins desta resolução, deve estar prevista no contrato firmado entre a instituição e o cliente ou ter sido o respectivo serviço previamente autorizado ou solicitado pelo cliente ou pelo usuário. 

§ 1º Para efeito desta resolução: 

I - considera-se cliente a pessoa que possui vínculo negocial não esporádico com a instituição, decorrente de contrato de depósitos, de operação de crédito ou de arrendamento 
mercantil, de prestação de serviços ou de aplicação financeira; 
II - os serviços prestados a pessoas naturais são classificados como essenciais, 
prioritários, especiais e diferenciados; e 
III -.Revogado. (Revogado pela Resolução 3.954, de 24/2/2011.) 
§ 2º É vedada a realização de cobranças na forma de tarifas ou de ressarcimento 
de despesas: 
I - em contas à ordem do Poder Judiciário e para a manutenção de depósitos em consignação de pagamento de que trata a Lei nº 8.951, de 13 de dezembro de 1994; e 
II - do sacado, em decorrência da emissão de boletos ou faturas de cobrança, carnês e assemelhados. 

Serviços essenciais 

Art. 2º É vedada às instituições mencionadas no art. 1º a cobrança de tarifas pela prestação de serviços bancários essenciais a pessoas naturais, assim considerados aqueles relativos a: 
I - conta de depósitos à vista: 
a) fornecimento de cartão com função débito; 
b) fornecimento de segunda via do cartão referido na alínea "a", exceto nos casos de pedidos de reposição formulados pelo correntista decorrentes de perda, roubo, furto, danificação e outros motivos não imputáveis à instituição emitente; 
c) realização de até quatro saques, por mês, em guichê de caixa, inclusive por meio de cheque ou de cheque avulso, ou em terminal de autoatendimento; 
d) realização de até duas transferências de recursos entre contas na própria instituição, por mês, em guichê de caixa, em terminal de autoatendimento e/ou pela internet; 
e) fornecimento de até dois extratos, por mês, contendo a movimentação dos últimos trinta dias por meio de guichê de caixa e/ou de terminal de autoatendimento; 
f) realização de consultas mediante utilização da internet; 
g) fornecimento do extrato de que trata o art. 19; 
h) compensação de cheques; 
i) fornecimento de até dez folhas de cheques por mês, desde que o correntista reúna os requisitos necessários à utilização de cheques, de acordo com a regulamentação em vigor e as condições pactuadas; e 
j) prestação de qualquer serviço por meios eletrônicos, no caso de contas cujos 
contratos prevejam utilizar exclusivamente meios eletrônicos; 
II - conta de depósitos de poupança: 
a) fornecimento de cartão com função movimentação; 
b) fornecimento de segunda via do cartão referido na alínea "a", exceto nos casos de pedidos de reposição formulados pelo correntista, decorrentes de perda, roubo, furto, danificação e outros motivos não imputáveis à instituição emitente; 
c) realização de até dois saques, por mês, em guichê de caixa ou em terminal de 
autoatendimento; 
d) realização de até duas transferências, por mês, para conta de depósitos de 
mesma titularidade; 
e) fornecimento de até dois extratos, por mês, contendo a movimentação dos 
últimos trinta dias; 
f) realização de consultas mediante utilização da internet; 
g) fornecimento do extrato de que trata o art. 19; e 
h) prestação de qualquer serviço por meios eletrônicos, no caso de contas cujos contratos prevejam utilizar exclusivamente meios eletrônicos. 
§ 1º Para fins do disposto nos incisos I, alínea "j", e II, alínea "h", do caput, são consideradas meios eletrônicos as formas de atendimento eletrônico automatizado sem intervenção humana, tais como os terminais de autoatendimento, a internet e o atendimento telefônico automatizado, observado que: 
I - a utilização dos canais de atendimento presencial ou pessoal, bem como dos correspondentes no País, por opção do correntista, estando disponíveis os meios eletrônicos, pode acarretar a cobrança das tarifas mencionadas nas alíneas "c", "d" e "e" dos incisos I e II, do 
caput deste artigo, a partir do primeiro evento; e 
II - o atendimento presencial ou pessoal ou por meio dos correspondentes no País não sujeita o cliente ao pagamento de tarifas, se não for possível a prestação dos serviços por meios eletrônicos ou se estes não estiverem disponíveis. 
§ 2º As disposições da Resolução nº 2.817, de 22 de fevereiro de 2001, alterada pela Resolução nº 2.953, de 25 de abril de 2002, não se aplicam a contas de depósitos cujos 
contratos prevejam utilizar exclusivamente meios eletrônicos. 
§ 3º A quantidade de eventos gratuitos referentes aos serviços de que tratam as alíneas "c", "d", "e", e "i" do inciso I e as alíneas "c", "d", e "e" do inciso II, do caput, deve ser considerada para cada conta de depósitos, independentemente do número de titulares, e não é cumulativa para o mês subsequente. 
§ 4º O contrato de conta conjunta de depósitos deve prever a quantidade de cartões a ser fornecida aos titulares, sendo vedada a cobrança pelo fornecimento da quantidade de cartões pactuada. 
§ 5º A realização de saques em terminais de autoatendimento em intervalo de até trinta minutos é considerada, inclusive para efeito da alínea "c" dos incisos I e II, do caput, como um único evento. 

Serviços prioritários 

Art. 3º A cobrança de tarifa pela prestação de serviços prioritários a pessoas naturais deve observar a lista de serviços, a padronização, as siglas e os fatos geradores da cobrança estabelecidos na Tabela I anexa a esta Resolução, assim considerados aqueles 
relacionados a: 
I - cadastro; 
II - conta de depósitos; 
III - transferência de recursos; 
IV - operação de crédito e de arrendamento mercantil;
V - cartão de crédito básico; e 
VI - operação de câmbio manual para compra ou venda de moeda estrangeira 
relacionada a viagens internacionais. 
§ 1º O valor das tarifas de que trata o caput deve ser estabelecido em reais. 
§ 2º O valor de tarifa cobrada pela prestação de serviço por meio do canal de atendimento "Correspondente no País", previsto na Tabela I de que trata o caput, não pode ser superior ao da tarifa cobrada pela prestação do mesmo serviço por meio de canal de atendimento presencial ou pessoal. 
(Redação do artigo 3º dada pela Resolução nº 4.021, de 29/9/2011.) 

Serviços especiais 

Art. 4º Admite-se a cobrança de tarifa pela prestação de serviços especiais a pessoas naturais, assim considerados aqueles cuja legislação e regulamentação específicas definem as tarifas e as condições em que aplicáveis, a exemplo dos serviços referentes ao crédito rural, ao Sistema Financeiro da Habitação (SFH), ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), ao Fundo PIS/PASEP, ao penhor civil previsto no Decreto nº 6.473, de 5 de junho de 2008, às contas especiais de que trata a Resolução nº 3.211, de 30 de junho de 2004, às contas de registro e controle disciplinadas pela Resolução nº 3.402, de 6 de setembro de 2006, bem como às operações de microcrédito de que trata a Resolução nº 3.422, de 30 de novembro de 2006. 

Serviços diferenciados 

Art. 5º Admite-se a cobrança de tarifa pela prestação de serviços diferenciados a pessoas naturais, desde que explicitadas ao cliente ou ao usuário as condições de utilização e de pagamento, assim considerados aqueles relativos a: 

I - abono de assinatura; 
II - aditamento de contratos; 
III - administração de fundos de investimento; 
IV - aluguel de cofre; 
V - aval e fiança; 
VI - avaliação, reavaliação e substituição de bens recebidos em garantia; 
VII - outros serviços de câmbio não previstos na Tabela I anexa a esta Resolução; 
(Redação dada pela Resolução nº 4.021, de 29/9/2011.) 
VIII - cartão pré-pago; (Redação dada pela Resolução nº 4.021, de 29/9/2011.)
IX - cartão de crédito diferenciado; 
X - certificado digital; 
XI - coleta e entrega em domicílio ou outro local; 
XII - corretagem envolvendo títulos, valores mobiliários e derivativos; 
XIII - custódia; 
XIV - envio de mensagem automática relativa à movimentação ou lançamento em conta de depósitos ou de cartão de crédito; 
XV - extrato diferenciado mensal contendo informações adicionais àquelas relativas a contas de depósitos à vista e/ou de poupança; 
XVI - fornecimento de atestados, certificados e declarações; 
XVII - fornecimento de cópia ou de segunda via de comprovantes e documentos; 
XVIII - fornecimento de plástico de cartão de crédito em formato personalizado; 
XIX - fornecimento emergencial de segunda via de cartão de crédito; e 
XX - leilões agrícolas. 
§ 1º O disposto no inciso II do caput não se aplica aos casos de: 
I - contratos por adesão, exceto no caso de substituição do bem em operações de arrendamento mercantil; e 
II - liquidação ou amortização antecipada, cancelamento ou rescisão de contratos. 
§ 2º Não se aplica a cobrança pelo serviço de que trata o inciso XVI do caput nas situações em que o fornecimento é obrigatório por determinação legal ou regulamentar, a exemplo do fornecimento das informações de que trata o art. 3º da Resolução nº 3.401, de 6 de setembro de 2006, e o art. 2º, parágrafo único, da Resolução nº 3.517, de 6 de dezembro de 2007. 

Pacotes de serviços 

Art. 6º É obrigatória a oferta de pacote padronizado de serviços prioritários para pessoas naturais, na forma definida na Tabela II anexa a esta resolução. 
§ 1º O valor cobrado mensalmente pelo pacote padronizado de serviços mencionado no caput não pode exceder o somatório do valor das tarifas individuais que o compõem, considerada a tarifa correspondente ao canal de entrega de menor valor. 
§ 2º Para efeito do cálculo do valor de que trata o § 1º: 
I - deve ser computado o valor proporcional mensal da tarifa relativa a serviço cuja cobrança não seja mensal; e 
II - devem ser desconsiderados os valores das tarifas cuja cobrança seja realizada 
uma única vez. 
§ 3º A exigência de que trata o caput aplica-se somente às instituições que oferecem pacotes de serviços aos seus clientes vinculados a contas de depósitos à vista ou de poupança. 
Art. 7º É facultado o oferecimento de pacotes específicos de serviços contendo serviços prioritários, especiais e/ou diferenciados, observada a padronização dos serviços prioritários, bem como a exigência prevista no § 1º do art. 6º. 
Parágrafo único. É vedada a inclusão nos pacotes de que trata o caput: 
I - de serviços vinculados a cartão de crédito; e 
II - de serviços cuja cobrança de tarifas não é admitida pela regulamentação 
vigente. 
Art. 8º A contratação de pacotes de serviços deve ser realizada mediante contrato específico. 
Art. 9º Observadas as vedações estabelecidas no art. 2º, é prerrogativa do cliente: 
I - a utilização e o pagamento somente por serviços individualizados; e/ou 
II - a utilização e o pagamento, de forma não individualizada, de serviços 
incluídos em pacote. 

Cartão de crédito 

Art. 10. As instituições mencionadas no art. 1º que emitam cartão de crédito ficam obrigadas a ofertar a pessoas naturais cartão de crédito básico, nacional e/ou internacional. 
§ 1º O cartão de crédito nacional refere-se a instrumento para utilização em rede de âmbito nacional. 
§ 2º A exigência de que trata o caput pode ser atendida pelo oferecimento de cartão de crédito de âmbito regional ou local, caso a instituição não disponibilize, entre os seus cartões, algum de âmbito nacional ou internacional. 
§ 3º É vedado associar o cartão de crédito básico a programas de benefícios ou recompensas. 
§ 4º O valor da tarifa "Anuidade – cartão básico nacional" deve ser inferior ao da tarifa "Anuidade – cartão básico internacional", ambas previstas na Tabela I anexa a esta resolução. 
Art. 11. Com relação ao cartão de crédito diferenciado, previsto no art. 5º, inciso IX: 
I - admite-se a cobrança apenas de tarifa de anuidade diferenciada, que deve englobar a disponibilização e utilização de rede de estabelecimentos afiliados, instalada no País e/ou no exterior, para pagamentos de bens e serviços, bem como a disponibilização e gerenciamento de programas de benefícios e/ou recompensas vinculados ao cartão, sendo obrigatória a utilização da denominação "Anuidade – cartão diferenciado" e da sigla "ANUIDADE Diferenciada"; 
II - os benefícios e/ou recompensas devem ser divulgados em tabela específica, na forma do art. 15, inciso IV; e 
III - os benefícios e/ou recompensas associados a cada cartão devem ser listados 
no contrato e detalhados pela instituição emissora quanto à sua forma de utilização. 
§ 1º O valor da tarifa mencionada no inciso I do caput não pode ser igual ou inferior ao da tarifa "Anuidade – cartão básico internacional", de que trata a Tabela I anexa a esta resolução, exceto no caso de cartão de crédito diferenciado cuja emissão decorra de acordo com empresa comercial (cartão híbrido). 
§ 2º A cobrança da tarifa de que trata o inciso I do caput não impede a cobrança, por evento, pela utilização dos serviços prioritários vinculados a cartão de crédito constantes da Tabela I anexa a esta resolução. 
Art. 12. Os contratos de prestação de serviço vinculados a cartão de crédito devem definir as regras de funcionamento do cartão, inclusive as relativas aos casos em que a sua utilização origina operações de crédito, bem como as respectivas sistemáticas de incidência de encargos. 
Art. 13. Os demonstrativos e/ou faturas mensais de cartão de crédito devem explicitar informações, no mínimo, a respeito dos seguintes aspectos: 
I - limite de crédito total e limites individuais para cada tipo de operação de 
crédito passível de contratação; 
II - gastos realizados com o cartão, por evento, inclusive quando parcelados; 
III - identificação das operações de crédito contratadas e respectivos valores; 
IV - valores relativos aos encargos cobrados, informados de forma segregada de 
acordo com os tipos de operações realizadas por meio do cartão;
V - valor dos encargos a ser cobrado no mês seguinte no caso de o cliente optar 
pelo pagamento mínimo da fatura; e 
VI - Custo Efetivo Total (CET), para o próximo período, das operações de crédito 
passíveis de contratação. 
Art. 14. No caso do fornecimento de segunda via de cartão de crédito com outras funções, a exemplo da função débito ou movimentação de poupança, não é admitida a cobrança de mais de uma tarifa pelo fornecimento do cartão, aplicando-se a de menor valor. 

Divulgação de informações 

Art. 15. É obrigatória a divulgação pelas instituições mencionadas no art. 1º, em local e formato visíveis ao público no recinto das suas dependências, bem como nos respectivos sítios eletrônicos na internet, das seguintes informações relativas à prestação de serviços a pessoas naturais e pessoas jurídicas e respectivas tarifas: 
I - tabela contendo os serviços cuja cobrança de tarifas é vedada, nos termos do art. 2º; 
II - tabela, nos termos do art. 3º, incluindo lista de serviços, canais de entrega, sigla no extrato, fato gerador da cobrança e valor da tarifa; 
III - tabela contendo informações a respeito do pacote padronizado, na forma do 
art. 6º; 
IV - tabela contendo a relação dos benefícios e/ou recompensas vinculados aos cartões de crédito diferenciados emitidos pela instituição, devendo os cartões ser agrupados em dois quadros, um por proprietário do esquema de pagamento (bandeira) e outro por valor da tarifa de anuidade diferenciada em ordem crescente; 
V - tabelas de demais serviços prestados pela instituição, inclusive pacotes de serviços; 
VI - esclarecimento de que os valores das tarifas foram estabelecidos pela própria instituição; e 
VII - outras informações estabelecidas pela regulamentação em vigor. 
Parágrafo único. Na divulgação de pacotes de serviços, devem ser informados, no mínimo: 
I - o valor individual de cada serviço incluído; 
II - o total de eventos admitidos por serviço incluído; e 
III - o preço estabelecido para o pacote. 
Art. 16. É obrigatória a divulgação no recinto dos correspondentes no País, além das tabelas mencionadas nos incisos I, II e III do art. 15, as tarifas relativas aos serviços prestados por meio do correspondente. 
Art. 16-A As instituições financeiras e demais instituições autorizadas a operar no mercado de câmbio, mediante consulta sob qualquer forma e previamente à contratação, com pessoas naturais, de operação de câmbio manual para compra ou venda de moeda estrangeira relacionada a viagens internacionais, devem informar ao cliente ou usuário o valor total da operação, expresso em reais, por unidade de moeda estrangeira. (Incluído pela Resolução nº 4.021, de 29/9/2011.) 
Parágrafo único. O valor total da operação mencionado no caput será denominado Valor Efetivo Total (VET) e deve ser calculado considerando a taxa de câmbio, os tributos incidentes e as tarifas eventualmente cobradas. (Incluído pela Resolução nº 4.021, de 29/9/2011.) 

Outras disposições 

Art. 17. As tarifas debitadas em conta de depósitos à vista ou de poupança de pessoas naturais devem ser identificadas no extrato de forma clara, com utilização, no caso dos serviços prioritários, da padronização de que trata o art. 3º. 
§ 1º O valor do lançamento a débito referente à cobrança de tarifa em conta de depósitos de poupança somente poderá ocorrer após o lançamento dos rendimentos de cada período. 
§ 2º O valor do lançamento a débito referente à cobrança de tarifa em conta de depósitos à vista ou em conta de depósitos de poupança não pode ser superior ao saldo disponível, que engloba, inclusive, eventual limite de crédito acordado entre as partes. 
Art. 18. A majoração do valor de tarifa ou a instituição de nova tarifa aplicável a pessoas naturais deve ser divulgada com, no mínimo: 
I - quarenta e cinco dias de antecedência à cobrança para os serviços relacionados 
a cartão de crédito; e 
II - trinta dias de antecedência à cobrança, para os demais serviços. 
§ 1º Os preços dos serviços prioritários relacionados a cartão de crédito, bem como os preços relativos ao serviço de que trata o art. 5º, inciso IX, somente podem ser majorados após decorridos 365 dias do último valor divulgado, aplicando-se aos demais serviços prioritários o prazo de 180 dias, admitindo-se a redução de preços a qualquer tempo. 
§ 2º A composição de pacotes de serviços somente pode ser alterada após decorridos 180 dias da última formatação estabelecida, aplicando-se a mesma regra aos programas de benefícios e/ou recompensas vinculados a cartão de crédito, observado o prazo de 365 dias. 
§ 3º Para efeito da contagem dos prazos de que trata este artigo, devem ser consideradas, inclusive, as alterações promovidas na vigência da Resolução º 3.518, de 6 de dezembro de 2007. 

Art. 19. As instituições mencionadas no art. 1º devem disponibilizar aos clientes pessoas naturais, até 28 de fevereiro de cada ano, extrato consolidado discriminando, mês a mês, os valores cobrados no ano anterior relativos a, no mínimo: 
I - tarifas; e 
II - juros, encargos moratórios, multas e demais despesas incidentes sobre operações de crédito e de arrendamento mercantil. 
Parágrafo único. A exigência da disponibilização do extrato com as informações de que trata o inciso II aplica-se somente aos extratos fornecidos a partir de 2012. 
Art. 20. As instituições mencionadas no art. 1º devem remeter ao Banco Central do Brasil, na forma por ele estabelecida, a lista dos serviços tarifados e os respectivos valores: 
I - até 31 de março de 2011, com relação aos serviços referentes a cartão de crédito; e 
II - sempre que ocorrer alteração, observado o disposto no art. 18, no caso de 
majoração. 
Art. 21. O art. 1º da Resolução nº 3.694, de 26 de março de 2009, passa a vigorar com a seguinte redação: 
"Art. 1º ............................................................................................................ 
.......................................................................................................................... 
III - a adequação dos produtos e serviços ofertados ou recomendados às necessidades, interesses e objetivos dos seus clientes; 
IV - a possibilidade de tempestivo cancelamento de contratos; 
V - a formalização de título adequado estipulando direitos e obrigações para 
fins de fornecimento de cartão de crédito; e 
VI - o encaminhamento de cartões de crédito ao domicílio do cliente somente em decorrência de sua expressa solicitação." (NR) 
Art. 22. Fica o Banco Central do Brasil autorizado a adotar as medidas julgadas necessárias à implementação do disposto nesta resolução. 
Art. 23. Esta resolução entra em vigor em 1º de março de 2011, produzindo efeitos em relação aos arts. 10 a 14: 
I - a partir de 1º de junho de 2011, para os contratos de cartões de crédito firmados a partir dessa data; e 
II - a partir de 1º de junho de 2012, para os contratos de cartões de crédito firmados até 31 de maio de 2011. 
Art. 24. Ficam revogadas, a partir de 1º de março de 2011, as Resoluções ns. 3.518, de 6 de dezembro de 2007, e 3.693, de 26 de março de 2009. 
São Paulo, 25 de novembro de 2010. 

Henrique de Campos Meirelles 
Presidente 

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. "

Fonte: Banco Central.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

10 DIREITOS TRABALHISTAS POR TRÁS DO MAIOR NÚMERO DAS AÇÕES TRABALHISTAS.



10 DIREITOS TRABALHISTAS POR TRÁS DO MAIOR NÚMERO DAS AÇÕES TRABALHISTAS.


1. Tudo começa com o registro

Se uma pessoa permanece um tempo na sua empresa cumprindo ordens, ela tem vínculo empregatício - não importa se trabalha só duas horas por dia ou uma vez por semana. Portanto, deve ser registrada. Com isso, ela tem direito a um mês de férias a cada ano trabalhado e a um adicional de um terço do salário sobre elas; ao décimo-terceiro; e ao FGTS, depositado mensalmente. Quanto ao INSS, o empregador arca com sua parte, recolhe a do empregado e repassa o valor ao governo. Nada de dar o dinheiro ao funcionário para que ele faça o pagamento. A dívida com o INSS é do empregador, então tenha certeza de que foi quitada.

2. O vale-transporte é sagrado

O empregador desconta 6% do salário do empregado e entrega a ele todos os vales necessários para a sua condução. Nem sempre isso é vantajoso para o empregado, porque o desconto às vezes supera o que ele gastaria. Nesse caso, ele pode assinar um documento abdicando do direito. Dar o valor da passagem em dinheiro é um erro. Quem age assim corre o risco de o funcionário dizer que aquele valor era parte do salário.

3. Benefício pode virar salário

Qualquer benefício extra, que não seja exigido por lei, como cesta básica, oferecido de forma habitual pode virar obrigação. Ele passa a ser considerado parte do salário e, a partir daí, não é permitido retirá-lo. Se decidir dar uma bonificação eventual, peça ao funcionário para assinar um recibo especificando do que se trata.

4. Nas férias, desembolso maior

Após um ano de trabalho, o empregado tem direito a 30 dias de férias e a um adicional de um terço na remuneração. Quando ele recebe por comissão, horas trabalhadas ou número de tarefas cumpridas, é feita uma média sobre o pagamento dos últimos 12 meses. Dependendo do seu negócio, você pode precisar de uma pessoa para cobrir essa ausência. Ambos os salários sairão do seu bolso. E é você, a empregadora, quem determina a data das férias.

5. Segurança é fundamental

Toda empresa é obrigada a ter um Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Cabe a ela contratar profissionais especializados para montar esse programa. Eles devem apontar as condições do local de trabalho que possam afetar a saúde do funcionário e orientar quanto às formas de proteção. Dependendo do risco, a lei obriga o empregador a pagar o adicional de insalubridade. Sem esses cuidados, um acidente pode resultar em multas altíssimas.

6. Cada um com a sua função

Você contrata, por exemplo, uma vendedora para a sua loja. Num dia de aperto, pede a ela para ajudar na limpeza. Grande risco. O funcionário só deve exercer a função que está especificada na carteira de trabalho. Caso ele resolva entrar com uma reclamação trabalhista, você pagará pelas duas atividades. Portanto, registre por escrito quais são as tarefas devidas e não deixe de cumprir esse acordo. Outro erro comum é achar que a empregada doméstica pode dar uma forcinha na butique de vez em quando. Ao prestar esses serviços, ela passa a ser funcionária da empresa e pode exigir seus direitos.

7. Ela vai ter um bebê

Se a funcionária ficar grávida, é o INSS que arca com o salário dela durante a licença-maternidade, de 120 dias. Na gestação, ela pode mudar de função, se necessário, e deixar o trabalho a qualquer hora, mediante atestado médico, para realizar exames e consultas sem sofrer descontos no salário. Depois do parto, ela tem 150 dias de estabilidade no emprego. Empresas com mais de 30 funcionárias devem manter disponível uma creche. Uma opção é providenciar o auxílio-creche mensal.

8. Ninguém trabalha de graça

Quando o funcionário trabalha um minuto a mais que a jornada normal, deve ganhar hora extra. Aos sábados e dias úteis, a lei manda acrescentar 50% do valor do pagamento. Aos domingos e feriados, 100%. É possível também fazer um acordo e esquematizar uma compensação de horas. Tudo isso precisa ser registrado numa planilha caso a empresa tenha mais de dez pessoas na equipe.

9. Quem fica pouco tempo

A demanda é maior em alguns meses e você precisa de mais empregados? Em vez de fazer um contrato tradicional e depois arcar com todos os gastos de uma demissão, prefira os contratos por prazo determinado. Com isso, ao final do período não se paga a multa de 40% sobre o FGTS nem o aviso prévio. Outra solução, mais econômica, é optar por funcionários terceirizados, contratados por meio de agências. Dessa forma, você paga apenas pelo serviço prestado e não fica com os encargos.

10. Demissão sem traumas

Esse pode ser um momento tenso entre patrão e empregado, por isso é essencial que tudo fique muito bem documentado e que todos os direitos trabalhistas sejam quitados. O acerto de contas inclui salário, férias vencidas, décimo-terceiro proporcional, multa de 40% sobre o FGTS e aviso prévio. Se a demissão for por justa causa, o funcionário perde as férias vencidas e o direito de sacar o fundo.

fonte: http://mdemulher.abril.com.br/
ações trabalhistas em buritama, advogado especialista em direito do trabalho em buritama, advogado buritama-sp, advogado servidores públicos buritama, advogado trabalhista buritama, advogado buritama, advogado prefeitura buritama, advogado usina buritama, ações trabalhistas buritama, ações trabalhistas e advogado, para advogado trabalhista em buritama direitos rescisórios são sagrados.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

FIES. INCONSTITUCIONALIDADE DA PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 13 DE JANEIRO DE 2014. MANDADO DE SEGURANÇA PARA SUSPENDER OS EFEITOS DA PORTARIA MINISTERIAL E PERMITIR A CONTINUIDADE DA JORNADA UNIVERSITÁRIA DO ESTUDANTE BENEFICIADO COM O FINANCIAMENTO PÚBLICO - FIES.



A previsão contida em Portarias Ministeriais editadas ao longo do tempo pelo MEC (Portaria nº 3 de 13 de Janeiro de 2014), para obrigar todas as Instituições de Ensino que fazem parte do FIES a compactuarem com o Fundo Garantidor, é abusiva e inconstitucional (art. 205 CF/88), pois, vai na contramão da filosofia do programa social instituído para fomentar a educação mediante garantia de acesso ao ensino superior em igualdade de condições e, conforme a capacidade intelectual de cada um.

O programa de Crédito Educativo foi institucionalizado a partir do princípio consagrado no texto constitucional para garantir educação e para atender a Estudantes universitários carentes de universidades particulares para custeio de seus estudos.

O referido programa era regido pela lei nº 8.436/92 e com o advento da MP nº 1.827/99, convertida na Lei 10.260/01, foi substituído pelo Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior – FIES.

Assim, o FIES tem por finalidade promover o acesso a educação e atender estudantes universitários carentes, a exemplo do extinto crédito educativo (Art. 205 da CF/88), para desenvolvimento de suas cidadanias mediante melhor qualificação para o desleal mercado de trabalho que lhes aguardam ao concluir o ensino superior.

No entanto, muitos dos alunos inscritos no programa social esbarram-se numa exigência advinda com a publicação pela imprensa oficial da novel Portaria Ministerial nº 3 de 13 de janeiro de 2014: a exigência feita pelo Governo Federal para que todas as instituições de ensino que fazem parte do FIES, compactuem com adesão ao Fundo Garantidor (Fundo de Operações de Crédito Educativo).

Ocorre que a exigência feita pelo MEC para que cada instituição de ensino privada faça parte do Fundo Garantidor (com o custo de 2% do total de cada operação), sob pena de desligamento do FIES, desestimula as universidades privadas de participarem do Fundo criado pelo Governo Federal e tem afetado diretamente a jornada universitária dos Estudantes que almejam conseguir o financiamento para continuidade de seus estudos.

Assim, com todo respeito que mereça a objurgada Portaria Ministerial (Portaria nº 3 de 13 de janeiro de 2014) editada pelo Exmo. Ministro da Educação, mas vai na contramão da filosofia do sistema do programa social cuja ideologia, sem dúvidas, é maximizar as inclusões de Estudantes no Ensino Superior visando o desenvolvimento social do país. Quanto mais estudantes no terceiro grau de ensino, mais vantajoso é para o programa social. Esse é o pensamento e o princípio fundamental para existência do aludido programa social para financiamento público dos encargos imanentes ao ensino superior.


Conclui-se, pois, que, por todo ângulo que se analise, salta à vista que a referida exigência imposta pela Portaria Ministerial nº 3 de 13 de janeiro de 2014, não tem o mínimo suporte constitucional, razão por que se impõe o reconhecimento da sua flagrante inconstitucionalidade pelo poder Judiciário assegurando-se ao Estudante Universitários carente permanência no ensino superior através do FIES que foi institucionalizado exatamente para garantia da educação superior.

portaria 3 do mec, advogado portaria 3 do mec, nova portaria do mec  fundo garantidor e portaria nº 3 de 13 de janeiro de 2014 do mec e inconstitucionalidade, fundo garantidor e advogado especialista em fies. Advogado especialista em FIES diz que a portaria nº 3 de 13 de janeiro de 2014 que obriga as instituições de ensino a aderirem ao Fundo Garantidor e/ou F.G.E.D.U.C (FGEDUC) fundo de garantia para operações de crédito educativo é inconstitucional. ação judicial e fundo garantidor ação judicial e portaria do mec. portaria do mec e mandado de segurança e fies e portaria normativa nº3 do mec, liminar portaria do mec n°3, ministério da educação e portaria fies.

MEU FIES ACABOU! E AGORA?!

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA TAXA DE JUROS NO FIES

FIES | AMORTIZAÇÃO ANTES DA CORREÇÃO

FIES | SAIBA COMO CALCULAR SEU RENDIMENTO

FÓRMULA DE JUROS NO FIES

FIES | DÍVIDA | PRESCRIÇÃO | EXECUÇÃO

FIES | CÁLCULOS

FIES | AMORTIZAÇÃO

FIES | MEDICINA, IDONEIDADE CADASTRAL DO ESTUDANTE

FIES. RENDIMENTO ACADÊMICO INSUFICIENTE

NOVO FIES 2018. PARTICIPAÇÃO DE ESTUDANTES GRADUADOS, SEGUNDA GRADUAÇÃO E SEGUNDO FIES

NOVO FIES 2018. ENTENDA MAIS SOBRE OS PRECEITOS CONTRATUAIS E JUROS COBRADOS NO FIES

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Free Samples By Mail